| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

JORNAL RJ -NITERÓI E BAIXADA FLUMINENSE
Desde: 16/11/2009      Publicadas: 8706      Atualização: 01/10/2013

Capa |  ADMINISTRAÇÃO & ECONOMIA  |  BLOG  |  CÂMARA ESTADUAL  |  CÂMARA FEDERAL  |  CÂMARA MUNICIPAL  |  CIDADES & BAIRROS  |  EDUCAÇÃO E CULTURA  |  ESPORTE X LAZER  |  FESTAS E SHOWS  |  GASTRONOMIA X MODAS  |  GOVERNO ESTADUAL  |  GOVERNO FEDERAL  |  GOVERNO MUNICIPAL  |  JUSTIÇA X DIREITO  |  LINK  |  NOSSO JORNAL  |  POLÍTICA  |  SAÚDE X BELEZA  |  SENADO  |  TEATRO & TV & SHOW  |  TECNOLOGIA


 NOSSO JORNAL

  02/02/2012
  0 comentário(s)


Usos da hierarquia no trabalho em equipe

Os diferentes usos da hierarquia no trabalho em quipe: eu-sozinho, um-com-todos, um-com-alguns, uns-com-alguns, todos-com-todos. Enfim, não é fácil saber identificar claramente e utilizar funcionalmente os distintos usos da hierarquia numa ação cooperativa em grupo.

Usos da hierarquia no trabalho em equipeAs organizações são constituídas de pessoas que se relacionam com pessoas, através de diferentes usos da hierarquia, para a consecução de determinados propósitos ou objetivos. Estes são os elementos universais das organizações: pessoas, hierarquia e objetivos ou propósitos.

Não há organizações sem pessoas. Se tirarmos as pessoas das organizações, subsiste apenas uma estrutura sem vida, uma máquina ou equipamento, instalações físicas mortas, uma mera ficção, o nada vivencial.
Não há vida humana sem sangue; não há organizações sem pessoas. As pessoas são o sangue das organizações, o seu elemento vital.

As pessoas se relacionam nas organizações através de usos diferenciados da hierarquia. É falacioso o lugar comum, o blábláblá de que nas organizações modernas não existe mais hierarquia. Mudam os seus usos, as origens da autoridade, de onde se enraízam e provêem, mas ela subsiste como um elemento essencial da vida organizacional.
E também não há organizações sem propósitos, os verdadeiros motivos de suas existências. Todo ser humano é um ser motivado. Toda organização tem os seus motivos na busca da realização de seus objetivos ou propósitos.
É dentro deste quadro de realidade de qualquer organização que pessoas se relacionam entre si, isoladas ou através do trabalho de equipes e de inter- equipes para a consecução de determinados objetivos.

Quando os gerentes começam a refletir sobre a dinâmica do trabalho em equipe, não é raro que presumam que ela só se dê em processos de interação face a face, em situações de comunicação todos com todos, às vezes também denominados de "um - com - todos".
Pessoas que trabalham juntas encontram-se para discutir e solucionar problemas. Uma conclusão equivocada seria que a atuação isolada ou do tipo "eu " sozinho" assumiria sempre um caráter individual e não de trabalho em equipe.
Por exemplo, em determinadas circunstâncias a atuação do tipo "eu " sozinho" pode ser predominante, utilizando-se interações do tipo "todos " com " todos" com menor freqüência ou meramente para manter contato. Por outro lado, em outras circunstancias a realização das tarefas poderá requerer uma interação do tipo "um " com " um", ou mesmo "um " com " alguns".
Há ainda a possibilidade de a interação do trabalho em equipe se dar sob a forma de "todos " com " um", situação em que o foco das atenções dos membros da equipe se concentra em uma só pessoa com vistas a ajudá-la a fortalecer seu desempenho como pessoa e como membro de uma equipe de trabalho.

O trabalho em equipe faz uso de todas essas interações, dependendo da situação e do problema a ser resolvido, do líder e dos liderados. Nenhuma delas é em si mais eficaz ou mais adequada do que outra. Em todas elas o gerente mantém a liderança, a autoridade e a responsabilidade pela qualidade do desempenho da equipe.
É evidente que outras pessoas também poderão ser eventualmente requisitadas para a participação na solução de problemas, sem que isto signifique a desconstrução da equipe enquanto tal ou a sua contaminação por presenças espúrias ou não naturais.

Trabalho em equipe "eu-sozinho"

Trabalho em equipe não significa que todos os integrantes estejam trabalhando fisicamente juntos todo o tempo. Longe disso!
Certas questões do cotidiano do trabalho em equipe requerem apenas a participação de um dos seus membros.
A eficácia do trabalho individual contribui para o resultado do trabalho de todos, pois evita a dispersão e a duplicação de esforços. Ou seja, as soluções de alguns problemas do trabalho em equipe são superiormente equacionadas por "um " sozinho", por ser este o que tem conhecimento, responsabilidade, informações necessárias e a plena capacidade para resolver o problema sozinho. O envolvimento de outros nessas circunstâncias representaria uma participação indevida.
E´claro que essa interação "eu " sozinho" exige a legitimação de todos, o que se dá pela compreensão e aceitabilidade de que, por exemplo, o gerente não precisa envolver os outros, de que as decisões que toma isoladamente não são arbitrárias ou unilaterais, mas decorrem normalmente de suas atribuições e responsabilidades inerentes ao exercício da função gerencial.
A legitimação pela conscientização da equipe não abre espaço para resistências ou ressentimentos, mal-estar ou contrariedades. O importante é que o uso da hierarquia na abordagem do "eu " sozinho" no trabalho em equipe, em particular ou na presença de outros, não se vulgarize como uma estratégia dominante de ação, como medida meramente emergencial ou de caráter corretivo decorrente da emergência de crises, mas que se constitua efetivamente como parte essencial do cotidiano.

Interdependência no trabalho em equipe

Portanto, o trabalho em equipe pode abranger todos os integrantes ao mesmo tempo ou cada um isolada ou circunstancialmente em distintas combinações de interação.
A interdependência simultânea ocorre quando todos os membros da equipe tratam do mesmo problema. Já a interdependência seqüencial ocorre quando os participantes estão juntos num contexto face a face, mas às vezes separados fisicamente. Cada um se incumbe de determinada tarefa, que viabiliza a realização da tarefa do outro, e assim, sucessivamente, em seqüência, todos contribuem para o resultado final. Cada participação individual é indispensável à participação do outro.
As interdependências de apoio e de substituição constituem uma terceira dimensão distinta do trabalho em equipe. Elas se efetivam sempre que um integrante da equipe substitui outro ou o apóia na realização de determinada tarefa.
Nas interdependências de apoio e de substituição do tipo "um " com " todos", a iniciativa cabe a quaisquer dos demais integrantes, mas a responsabilidade pelos resultados permanece com aquele em nome do qual alguém tenha agido. Tal circunstância exige alto grau de confiança e de comprometimento, normalmente acima de outras situações usuais do trabalho em equipe.
A simultaneidade e a seqüencialidade são dimensões absolutamente cotidianas e típicas do verdadeiro trabalho em equipe. Se não existirem, certamente haverá em algum momento o colapso do trabalho conjunto. Por certo, também, uma equipe poderá dispensar ou prescindir da interdependência de apoio ou de substituição, se bem que desejáveis, mas nem sempre necessárias.
Esses mesmos usos de interdependência, ou seja, as abordagens simultânea, seqüencial, de apoio e de substituição, tanto se aplicam aos usos da hierarquia em situações "um " a " um", e "um " alguns" quanto aos "todos com " todos".

Trabalho em equipe "um "com " um"

Tais circunstâncias liberam os demais membros da equipe, que não podem contribuir, para se dedicarem à realização de outras tarefas pertinentes à equipe.
A interveniência indevida é um dos maiores desperdiçadores de tempo e de perda de objetividade do trabalho em equipe.
Aquele que participa da realização de uma tarefa em que nada tem a contribuir normalmente seqüestra o tempo dos demais para se inteirar de detalhes nem sempre relevantes, e ainda tende, ademais, a emitir opiniões desfocada da objetividade da busca da solução do problema.
Qualquer integrante de uma equipe pode interagir um de cada vez com o outro, de acordo com a área específica de contribuição, de responsabilidade ou de necessidade de ajuda. Envolver um terceiro participante pode ser disfuncional, em circunstâncias em que a participação de um maior número de pessoas em nada possa contribuir para o enriquecimento na realização do trabalho. "Um " com " um", ou seja, a participação de apenas duas pessoas circunstancialmente é a melhor abordagem de realização da tarefa, e a mais adequada expressão da representação da totalidade da equipe, tanto na interdependência simultânea, quanto na seqüencial, de apoio ou substitutiva.

Trabalho em equipe "um " com " alguns"

Em outras situações, o trabalho em equipe envolve mais de dois membros, mas não a participação de todos da equipe em conjunto. Estas são as situações de abordagem "um " com " alguns". Situam-se numa variante entre as circunstâncias de usos da hierarquia de "um "com " um" e as de "todos - com " todos", distinguindo-se mais pelo número de participantes da equipe do que pela natureza da interdependência.
Não tratamos aqui separadamente da abordagem "um " com alguns", mas é preciso que se compreenda que esta forma de uso da hierarquia no trabalho em equipe é da maior relevância, e deve assim ser sempre utilizada quando conveniente à efetividade do desempenho.

Interdependência "todos " com " todos"

Algumas tarefas só podem ser resolvidas com a participação de todos.
A capacidade de operacionalização conjunta é que vai resultar no sucesso ou fracasso da ação da equipe. São circunstâncias em que é necessária a participação de todos na solução de determinado problema, "todos " com " todos" afeta cada membro da equipe. Por exemplo:

a) Nenhum dos participantes da equipe, trabalhando individualmente, dispõe de informações, conhecimento, experiência, capacidade ou julgamento para resolver isoladamente a questão, porem todas, trabalhando em conjunto são capazes de alcançá-la.

b) É necessário haver compreensão compartilhada do processo de trabalho global.

c) A coordenação baseada na compreensão compartilhada é indispensável à realização do processo de trabalho. Cada membro da equipe detém uma parcela de contribuição. A sinergia da participação conjunta possibilita uma resultante superior e distinta da simples soma das contribuições das partes componentes.

Em verdade, não é simples se saber identificar claramente quando utilizar funcionalmente os distintos usos da hierarquia no trabalho em equipe. Mais ainda é distinguir quando o processo de trabalho deva ser simultâneo, seqüencial, de apoio ou de substituição. Fatalmente, todavia, enquanto a equipe como equipe não for capaz de discernir as alternativas práticas de ação conjunta e eliminar as incertezas e as confusões relativas a essas distinções, dificilmente será capaz de avançar rumo à busca da excelência na realização de seus processos de trabalho.

  Web site: www.wagnersiqueira.com.br  Autor:   Wagner Siqueira


  Mais notícias da seção BRASIL no caderno NOSSO JORNAL
23/04/2013 - BRASIL - Os Dragões de Cada Geração
Trata da verdadeira incapacidade treinada das atuais geraçõesw conhecidas como Y e Z para conviverem com o descontrole dos preços, já que acostumadas à expansão ilimitada do crédito e do consumo...
14/04/2013 - BRASIL - Domío de outro idioma aumenta salário
Domínio de outro idioma aumenta salário em até 51,89% Estudo recém apresentado pela consultoria Catho mostra que o domínio de um idioma estrangeiro pode aumentar o salário em até 51,89%. A pesquisa analisou 2.444 cargos em 19 mil empresas de todo o Brasil, comparando diferentes níveis hierárquicos e graus de fluência na língua inglesa e espanhola. ...
25/01/2013 - BRASIL - A Pedagogia da Planilha
Imagine um aluno devidamente matriculado num Curso de Graduação em Administração numa região qualquer do Brasil. A matriz curricular, pelas normais legais, deve conter uma carga horária mínima de 3.000 horas. O pressuposto é, claro, que esse aluno hipotético, exposto à tamanha carga de conteúdos de aprendizagem, esteja plenamente apto ao exercício...
23/01/2013 - BRASIL - Educação: Uma questão de gerência
Dentre as inúmeras abordagens que visam a diagnosticar as deficiências do desempenho do Sistema Educacional Brasileiro, duas merecem destaque....
13/01/2013 - BRASIL - Saúde: uma questão de gerência
Dentre as inúmeras abordagens que visam a diagnosticar as deficiências do desempenho do sistema hospitalar, duas merecem destaque. Uma é a posição dos que atribuem à atuação dos profissionais de saúde as principais responsabilidades pelas falhas. Nesta posição, os diagnósticos sugerem desde a incompetência até a falência ética. A outra posição é a ...
20/12/2012 - BRASIL - Ser versus fazer
Para os existencialistas a dissonância SER X TER seria a marca definitiva do homem moderno em busca do auto-encontro e da felicidade....
24/11/2012 - BRASIL - Elementos Essenciais do Trabalho em Equipe " Parte II
Na Parte I, tivemos a oportunidade de analisar a relação poder/autoridade na dinâmica do trabalho em equipe. ...
08/09/2012 - BRASIL - 47 Anos do Administrador
Data de aniversário, tempo de retrospecto e de retemperar vontades, tempo de aprofundar a constribuição do Administrador ao desenvolvimento do Brasil...
02/06/2012 - BRASIL - O Dia do Profissional de RH
O dia 3 de junho é a data comemorativa do profissional de RH em todo o mundo. ...
15/04/2012 - BRASIL - UM CONGRESSO ENXUTO CAPACITADO E COM MUITA TRANSPARÊNCIA.
EU ACREDITO QUE DEVERÍAMOS FAZER UMA CAMPANHA POPULAR PARA QUE NO SENADO E NA CÂMARA FEDERAL SOMENTE TIVESSE 27 PARLAMENTARES E CADA UM REPRESENTANDO O SEU ESTADO, COM ESTA MEDIDA A CORRUPÇÃO SERIA MAIS CONTROLADA, OS CUSTOS SERIAM BEM MENORES E NOS A POPULAÇÃO TERÍAMOS QUE FAZER UMA SELEÇÃO BEM APURADA NA HORA DE VOTARMOS, PARA COLOCAR NO CONGRESS...
11/04/2012 - BRASIL - Democracia, instituições e costumes
A boa prática da democracia depende de duas condições: das instituições e dos costumes. Onde as instituições são adequadas e os costumes são saudáveis, está assegurada a democracia. Exemplo disto são os países da Escandinávia....
07/03/2012 - BRASIL - Exames de (IN) Suficiência
Há muitos anos em minhas andanças por universidades brasileiras por todo o Brasil tenho sido interpelado por alunos, professores e profissionais a respeito de minha opinião sobre os exames que são aplicados aos bacharéis de algumas carreiras de nível superior, como condição para, se aprovados, acessarem o mercado de trabalho como profissionais técn...
24/02/2012 - BRASIL - A hora e a vez da modernização administrativa
Ventos novos estão soprando pelo país. A evolução recente do processo político brasileiro, especialmente com os desdobramentos do quadro configurado pelo processo estável de crescimento econômico, potencializa a possibilidade até há pouco um sonho de promover profundas transformações democráticas na administração pública brasileira. Efetivamente...
19/01/2012 - BRASIL - Os déspotas de uma burocracia insensível
"A indiferença ao bem comum é o vicio da política e da gestão pública praticada pelos déspotas da burocracia insensível existente no Brasil"....
19/06/2011 - BRASIL - O Professor de Administração
Falar dos professores de administração, formadores de consciências, de valores e de opções éticas na gestão das organizações, como se todos pertencessem a um grupo homogêneo é uma insensatez....
22/02/2011 - BRASIL - Ora, Direis Ouvir Estrelas ...
Antes e acima de qualquer medida operacional, é necessário que se compreenda que as novas equipes de governo terão fundamentalmente que se comprometer com a gerência moderna e eficaz....
17/02/2011 - BRASIL - UM BRASIL MELHOR!!
Em plena tecnologia no século XXI onde internet e celulares trazem noticias de diversos locais do mundo em poucos minutos, o Brasil vive sua política parecendo àquelas carroças velhas puxada por cavalos e burros nos anos de 1930, para se fazer qualquer coisa que necessite da presença do poder publico leva pelo menos uma eternidade dias para ser con...
28/08/2010 - BRASIL - Busque as causas do mau desempenho
Experiência não é o que acontece com a gente, mas o que fazemos com o que nos acontece.Aprender com a experiência é essencialmente buscar as cuasas dos maus desempenhos e fortalecer os pontos positivos....
17/08/2010 - BRASIL - Aprendizado Recíproco
A interação cotidiana gerente e seus colaboradores propicia uma fantástica possibilidade de aprendizagem recíproca.Transformar essa interação em resultados frutíferos é uma das mais significativas responsabilidades gerenciais...
11/08/2010 - BRASIL - A Sabedoria da Experiência
A experiência não é o que acontece conosco, mas o que fazemos com o que nos acontece.Eis ai algumas goticulas de sabedoria destiladas a partir da experiência....
02/08/2010 - BRASIL - MEMORIAL SAÚDE
UM PLANO DE SAÚDE AO ALCANCE DE TODOS TEM O MELHOR PREÇO DO MERCADO. PARA MELHORES INFORMAÇÕES LIGUE PARA NOSSA CONSULTORA.NEIDE(21)9828-9245 ou ( 2482-4211 após 20h00min )....
08/06/2010 - BRASIL - Prestar Contas Por Mau Desempenho
O gerente precisa estar sempre atento às causas ou às fontes do mau desempenho de seus colaboradores. O que fazer diante de tais circunstâncias é o grande desafio gerencial....
28/05/2010 - BRASIL - Por Uma Administração Moderna, Eficaz e Voltada Para o Público
Modernizar a máquina administrativa representa um desafio essencial para os dirigentes públicos e para o conjunto de toda a sociedade brasileira. Mas como o burocrata tem uma visão burocrática até mesmo da desburocratização, persistimos nos erros de outrora apresentando-os como soluções novas....
18/05/2010 - BRASIL - Orçamento Público
A reconceptualização total do orçamento publico é uma imposição de construção da sociedade democrática que o brasil deseja...
02/04/2010 - BRASIL - TRABALHO: Pode Fazer alguém Feliz?
Stress, insatisfação, depressões, inseguranças, desajustamentos, vícios e até suicídios: o trabalho é uma fonte de infelicidade ou existem pessoas felizes com o que fazem nas organizações a que pertencem?...



Capa |  ADMINISTRAÇÃO & ECONOMIA  |  BLOG  |  CÂMARA ESTADUAL  |  CÂMARA FEDERAL  |  CÂMARA MUNICIPAL  |  CIDADES & BAIRROS  |  EDUCAÇÃO E CULTURA  |  ESPORTE X LAZER  |  FESTAS E SHOWS  |  GASTRONOMIA X MODAS  |  GOVERNO ESTADUAL  |  GOVERNO FEDERAL  |  GOVERNO MUNICIPAL  |  JUSTIÇA X DIREITO  |  LINK  |  NOSSO JORNAL  |  POLÍTICA  |  SAÚDE X BELEZA  |  SENADO  |  TEATRO & TV & SHOW  |  TECNOLOGIA