| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

JORNAL RJ -NITERÓI E BAIXADA FLUMINENSE
Desde: 16/11/2009      Publicadas: 8706      Atualização: 01/10/2013

Capa |  ADMINISTRAÇÃO & ECONOMIA  |  BLOG  |  CÂMARA ESTADUAL  |  CÂMARA FEDERAL  |  CÂMARA MUNICIPAL  |  CIDADES & BAIRROS  |  EDUCAÇÃO E CULTURA  |  ESPORTE X LAZER  |  FESTAS E SHOWS  |  GASTRONOMIA X MODAS  |  GOVERNO ESTADUAL  |  GOVERNO FEDERAL  |  GOVERNO MUNICIPAL  |  JUSTIÇA X DIREITO  |  LINK  |  NOSSO JORNAL  |  POLÍTICA  |  SAÚDE X BELEZA  |  SENADO  |  TEATRO & TV & SHOW  |  TECNOLOGIA


 NOSSO JORNAL

  13/01/2013
  0 comentário(s)


Saúde: uma questão de gerência

Dentre as inúmeras abordagens que visam a diagnosticar as deficiências do desempenho do sistema hospitalar, duas merecem destaque. Uma é a posição dos que atribuem à atuação dos profissionais de saúde as principais responsabilidades pelas falhas. Nesta posição, os diagnósticos sugerem desde a incompetência até a falência ética. A outra posição é a dos que atribuem ao próprio público as falhas na prestação dos serviços. Também aqui as opiniões variam muito, desde o desinteresse generalizado até campanhas dirigidas de descrédito.

Saúde: uma questão de gerência Contudo, é um equívoco polarizar o problema no profissional de saúde ou no público, a partir da premissa mesma em que se fundamenta: a de que tal problema poderia ser solucionado pela reparação da "parte errada". Isto é falso, porque a causa mais profunda do problema não está no usuário do serviço nem no profissional de saúde. Em última análise, tanto um como outro estão ligados por um mesmo vínculo: ambos acham-se de certa forma dependentes das decisões e orientações emitidas pelos dirigentes da instituição de saúde. Na medida em que o desempenho do dirigente hospitalar, por exemplo, por ineficaz, o desempenho dos servidores será correspondentemente afetado e, por conseqüência, os interesses do público-usuário também. Torna-se fácil, portanto, detectar aí a existência de um círculo vicioso comportamental, que só poderá ser retificado mediante uma intervenção a nível intermediário de execução ou a nível de compreensão da clientela usuária.
Na verdade, no estudo e equacionamento desse problema há que partir da pergunta: sobre quais características da gerência hospitalar é preciso intervir? A análise de determinados indicadores poderá facilitar um diagnóstico preliminar a uma primeira resposta à questão.
Um desses indicadores é a idéia (ainda não conscientizada) da relevância do papel do dirigente para a consecução dos objetivos da organização de saúde e, a partir daí, a confusão decorrente de que eficiência e eficácia são duas coisas distintas e, como tal, devem ser encaradas separadamente. É um equívoco acerca do que realmente significam eficácia e eficiência para a chefia. O erro mais comum decorrente desse equívoco é o gerente conservar, a esse nível, a mesma percepção de eficiência que tinha como técnico. Para exemplificar: o professor, que prepara suas aulas e que se preocupa em ministrá-las magistralmente, leva consigo para o cargo de supervisão ou direção essa noção de eficiência, enfatizando seu papel como orientador de currículos e programas. O mesmo se verifica com a sua percepção de eficácia. Esta, antes alcançada pelo professor que conseguia de seus alunos exames brilhantes, passa a se concretizar na conservação dos mesmos roteiros de aula, "eficazes" pela sua "infabilidade" consagrada ano após ano. Como o ambiente está em contínua mudança e as decisões de modificar os programas e metas não são tomados em conformidade com as novas demandas daquele ambiente, a eficácia perde-se (baixo grau de aproveitamento dos alunos, reprovações, etc.) e a eficiência passa a ser apenas formal (número de horas/aulas ministradas, observância dos itens do programa, etc.).
Na verdade, eficácia e eficiência são inseparáveis por serem interdependentes. E são os gerentes, em seus níveis respectivos, que reúnem (ou devem reunir) as melhores condições para assegurar e tornar frutífera essa interdependência. Para isso, contudo, eles precisam de competências gerenciais específicas, que podem e devem ser desenvolvidas.
Os dirigentes do serviço público nem sempre possuem formação específica em administração ou gerência. Restringem-se à direção técnica de sua gestão e não à direção executiva. Talvez até mesmo o termo executivo pareça-lhe inadequado à sua posição, função ou papel. Aí, todavia, é que está concentrado o equívoco fundamental: o da concepção das atividades que um gerente deva desempenhar. Antes de tudo, o diretor de uma escola ou de um hospital precisa estar consciente de que seu cargo é de gerência. O próprio sistema de seleção é um dos pontos mais falhos na constituição de um quadro gerencial qualificado para a administração. O engenheiro mais destacado por suas qualidades técnicas não é, necessariamente, a pessoa mais adequada para dirigir um distrito rodoviário.
Em termos de aperfeiçoamento, três focos distintos podem ser identificados. O primeiro, o pessoal, de desenvolvimento do indivíduo enquanto pessoa humana; o segundo, o técnico, de desenvolvimento do indivíduo enquanto especialista em determinada área do conhecimento humano; o terceiro, o gerencial, de desenvolvimento do indivíduo enquanto responsável pela direção de determinado empreendimento ou unidade organizacional.
Neste ponto, caberia perguntar: em que medida se deveria enfatizar o crescimento individual dos dirigentes do serviço público como pessoa humana? Ou a qualificação desses mesmos dirigentes na dimensão técnico-profissional de sua especialidade? Ou, ainda, o desenvolvimento gerencial desses dirigentes? Esta última alternativa parece, em princípio, a mais correta. O desenvolvimento gerencial tem o significado de um passo para a meta que se pretende atingir: em última análise, o desenvolvimento organizacional do serviço público. Portanto, qualquer empenho no sentido de aperfeiçoar o sistema gerencial será necessariamente orientado pelas políticas mais abrangentes estabelecidas com vistas a promover o desenvolvimento organizacional. Assim, o importante é tratar do problema específico sem perder de vista o contexto global em que ele está situado. Sem dúvida, um dos caminhos mais promissores para o aperfeiçoamento da administração está em capacitar as gerências a resolverem problemas de desenvolvimento organizacional.
Tem faltado aos programas de desenvolvimento de executivos do setor público uma concepção global e sistêmica. Assim, tendo em vista o contexto em que se situa o desenvolvimento gerencial, tornam-se claras sua relevância e suas implicações socioculturais, políticas e econômicas para o país.
Os problemas que cada secretaria estadual ou municipal visa a solucionar não são casos inéditos, exclusivos ou sui generis. Eles guardam similitudes, inter-relações e pontos comuns. Daí porque os programas de desenvolvimento gerencial para o setor público devem considerar esta realidade institucional brasileira, o que infelizmente não tem ocorrido.
Assim, o processo decisório da administração pública deve ser sensivelmente renovado. Há que se pensar em mudanças de escala e métodos para que a área de saúde do governo alcance, de pronto, os elementos que hoje operam a máquina administrativa, qualificando-os para atuar como gerentes públicos eficazes, utilizando todo o arsenal moderno de técnicas de gestão, destacando-se o uso intensivo e adequado dos sistemas de informação que, valorizados em sua justa dimensão, serão a grande cunha da renovação e modernização da área de saúde.












  Web site: www.wagnersiqueira.com  Autor: wagner siqueira


  Mais notícias da seção BRASIL no caderno NOSSO JORNAL
23/04/2013 - BRASIL - Os Dragões de Cada Geração
Trata da verdadeira incapacidade treinada das atuais geraçõesw conhecidas como Y e Z para conviverem com o descontrole dos preços, já que acostumadas à expansão ilimitada do crédito e do consumo...
14/04/2013 - BRASIL - Domío de outro idioma aumenta salário
Domínio de outro idioma aumenta salário em até 51,89% Estudo recém apresentado pela consultoria Catho mostra que o domínio de um idioma estrangeiro pode aumentar o salário em até 51,89%. A pesquisa analisou 2.444 cargos em 19 mil empresas de todo o Brasil, comparando diferentes níveis hierárquicos e graus de fluência na língua inglesa e espanhola. ...
25/01/2013 - BRASIL - A Pedagogia da Planilha
Imagine um aluno devidamente matriculado num Curso de Graduação em Administração numa região qualquer do Brasil. A matriz curricular, pelas normais legais, deve conter uma carga horária mínima de 3.000 horas. O pressuposto é, claro, que esse aluno hipotético, exposto à tamanha carga de conteúdos de aprendizagem, esteja plenamente apto ao exercício...
23/01/2013 - BRASIL - Educação: Uma questão de gerência
Dentre as inúmeras abordagens que visam a diagnosticar as deficiências do desempenho do Sistema Educacional Brasileiro, duas merecem destaque....
20/12/2012 - BRASIL - Ser versus fazer
Para os existencialistas a dissonância SER X TER seria a marca definitiva do homem moderno em busca do auto-encontro e da felicidade....
24/11/2012 - BRASIL - Elementos Essenciais do Trabalho em Equipe " Parte II
Na Parte I, tivemos a oportunidade de analisar a relação poder/autoridade na dinâmica do trabalho em equipe. ...
08/09/2012 - BRASIL - 47 Anos do Administrador
Data de aniversário, tempo de retrospecto e de retemperar vontades, tempo de aprofundar a constribuição do Administrador ao desenvolvimento do Brasil...
02/06/2012 - BRASIL - O Dia do Profissional de RH
O dia 3 de junho é a data comemorativa do profissional de RH em todo o mundo. ...
15/04/2012 - BRASIL - UM CONGRESSO ENXUTO CAPACITADO E COM MUITA TRANSPARÊNCIA.
EU ACREDITO QUE DEVERÍAMOS FAZER UMA CAMPANHA POPULAR PARA QUE NO SENADO E NA CÂMARA FEDERAL SOMENTE TIVESSE 27 PARLAMENTARES E CADA UM REPRESENTANDO O SEU ESTADO, COM ESTA MEDIDA A CORRUPÇÃO SERIA MAIS CONTROLADA, OS CUSTOS SERIAM BEM MENORES E NOS A POPULAÇÃO TERÍAMOS QUE FAZER UMA SELEÇÃO BEM APURADA NA HORA DE VOTARMOS, PARA COLOCAR NO CONGRESS...
11/04/2012 - BRASIL - Democracia, instituições e costumes
A boa prática da democracia depende de duas condições: das instituições e dos costumes. Onde as instituições são adequadas e os costumes são saudáveis, está assegurada a democracia. Exemplo disto são os países da Escandinávia....
07/03/2012 - BRASIL - Exames de (IN) Suficiência
Há muitos anos em minhas andanças por universidades brasileiras por todo o Brasil tenho sido interpelado por alunos, professores e profissionais a respeito de minha opinião sobre os exames que são aplicados aos bacharéis de algumas carreiras de nível superior, como condição para, se aprovados, acessarem o mercado de trabalho como profissionais técn...
24/02/2012 - BRASIL - A hora e a vez da modernização administrativa
Ventos novos estão soprando pelo país. A evolução recente do processo político brasileiro, especialmente com os desdobramentos do quadro configurado pelo processo estável de crescimento econômico, potencializa a possibilidade até há pouco um sonho de promover profundas transformações democráticas na administração pública brasileira. Efetivamente...
02/02/2012 - BRASIL - Usos da hierarquia no trabalho em equipe
Os diferentes usos da hierarquia no trabalho em quipe: eu-sozinho, um-com-todos, um-com-alguns, uns-com-alguns, todos-com-todos. Enfim, não é fácil saber identificar claramente e utilizar funcionalmente os distintos usos da hierarquia numa ação cooperativa em grupo....
19/01/2012 - BRASIL - Os déspotas de uma burocracia insensível
"A indiferença ao bem comum é o vicio da política e da gestão pública praticada pelos déspotas da burocracia insensível existente no Brasil"....
19/06/2011 - BRASIL - O Professor de Administração
Falar dos professores de administração, formadores de consciências, de valores e de opções éticas na gestão das organizações, como se todos pertencessem a um grupo homogêneo é uma insensatez....
22/02/2011 - BRASIL - Ora, Direis Ouvir Estrelas ...
Antes e acima de qualquer medida operacional, é necessário que se compreenda que as novas equipes de governo terão fundamentalmente que se comprometer com a gerência moderna e eficaz....
17/02/2011 - BRASIL - UM BRASIL MELHOR!!
Em plena tecnologia no século XXI onde internet e celulares trazem noticias de diversos locais do mundo em poucos minutos, o Brasil vive sua política parecendo àquelas carroças velhas puxada por cavalos e burros nos anos de 1930, para se fazer qualquer coisa que necessite da presença do poder publico leva pelo menos uma eternidade dias para ser con...
28/08/2010 - BRASIL - Busque as causas do mau desempenho
Experiência não é o que acontece com a gente, mas o que fazemos com o que nos acontece.Aprender com a experiência é essencialmente buscar as cuasas dos maus desempenhos e fortalecer os pontos positivos....
17/08/2010 - BRASIL - Aprendizado Recíproco
A interação cotidiana gerente e seus colaboradores propicia uma fantástica possibilidade de aprendizagem recíproca.Transformar essa interação em resultados frutíferos é uma das mais significativas responsabilidades gerenciais...
11/08/2010 - BRASIL - A Sabedoria da Experiência
A experiência não é o que acontece conosco, mas o que fazemos com o que nos acontece.Eis ai algumas goticulas de sabedoria destiladas a partir da experiência....
02/08/2010 - BRASIL - MEMORIAL SAÚDE
UM PLANO DE SAÚDE AO ALCANCE DE TODOS TEM O MELHOR PREÇO DO MERCADO. PARA MELHORES INFORMAÇÕES LIGUE PARA NOSSA CONSULTORA.NEIDE(21)9828-9245 ou ( 2482-4211 após 20h00min )....
08/06/2010 - BRASIL - Prestar Contas Por Mau Desempenho
O gerente precisa estar sempre atento às causas ou às fontes do mau desempenho de seus colaboradores. O que fazer diante de tais circunstâncias é o grande desafio gerencial....
28/05/2010 - BRASIL - Por Uma Administração Moderna, Eficaz e Voltada Para o Público
Modernizar a máquina administrativa representa um desafio essencial para os dirigentes públicos e para o conjunto de toda a sociedade brasileira. Mas como o burocrata tem uma visão burocrática até mesmo da desburocratização, persistimos nos erros de outrora apresentando-os como soluções novas....
18/05/2010 - BRASIL - Orçamento Público
A reconceptualização total do orçamento publico é uma imposição de construção da sociedade democrática que o brasil deseja...
02/04/2010 - BRASIL - TRABALHO: Pode Fazer alguém Feliz?
Stress, insatisfação, depressões, inseguranças, desajustamentos, vícios e até suicídios: o trabalho é uma fonte de infelicidade ou existem pessoas felizes com o que fazem nas organizações a que pertencem?...



Capa |  ADMINISTRAÇÃO & ECONOMIA  |  BLOG  |  CÂMARA ESTADUAL  |  CÂMARA FEDERAL  |  CÂMARA MUNICIPAL  |  CIDADES & BAIRROS  |  EDUCAÇÃO E CULTURA  |  ESPORTE X LAZER  |  FESTAS E SHOWS  |  GASTRONOMIA X MODAS  |  GOVERNO ESTADUAL  |  GOVERNO FEDERAL  |  GOVERNO MUNICIPAL  |  JUSTIÇA X DIREITO  |  LINK  |  NOSSO JORNAL  |  POLÍTICA  |  SAÚDE X BELEZA  |  SENADO  |  TEATRO & TV & SHOW  |  TECNOLOGIA