| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

JORNAL RJ -NITERÓI E BAIXADA FLUMINENSE
Desde: 16/11/2009      Publicadas: 8706      Atualização: 01/10/2013

Capa |  ADMINISTRAÇÃO & ECONOMIA  |  BLOG  |  CÂMARA ESTADUAL  |  CÂMARA FEDERAL  |  CÂMARA MUNICIPAL  |  CIDADES & BAIRROS  |  EDUCAÇÃO E CULTURA  |  ESPORTE X LAZER  |  FESTAS E SHOWS  |  GASTRONOMIA X MODAS  |  GOVERNO ESTADUAL  |  GOVERNO FEDERAL  |  GOVERNO MUNICIPAL  |  JUSTIÇA X DIREITO  |  LINK  |  NOSSO JORNAL  |  POLÍTICA  |  SAÚDE X BELEZA  |  SENADO  |  TEATRO & TV & SHOW  |  TECNOLOGIA


 NOSSO JORNAL

  18/05/2010
  0 comentário(s)


Orçamento Público

A reconceptualização total do orçamento publico é uma imposição de construção da sociedade democrática que o brasil deseja

Orçamento Público
Precisamos de uma maneira essencialmente nova para proceder à elaboração, execução, controle e avaliação do processo orçamentário. No Brasil o orçamento público não é apenas uma obra de ficção. É bem mais: certamente uma falácia, uma mistificação, e, em muitos casos, um verdadeiro engodo político e administrativo.

Sob a perspectiva política é um poderoso instrumento de limitação da democracia. Pelo lado administrativo é um dos mais relevantes fatores desburocratização da máquina pública; de banalização da função gerencial, isto é, da desqualificação do dirigente público como executivo de programas e tomador de decisões; e, certamente, do desvirtuamento da fixação adequada e da concretização efetiva dos objetivos e metas governamentais.

O Parlamento surgiu ao tempo de João sem Terra exatamente para proceder à aprovação do orçamento. Cansados do arbítrio absolutista dos monarcas, os nobres se reuniram em assembléia parlamentar para conter o rei e aprovar receitas e despesas públicas de que se poderia dispor num determinado período de tempo. A partir de então o Executivo não mais poderia alterar ao seu bel-prazer as fontes de receitas e as definições de despesas. Assim, pode-se dizer que o orçamento é a principal lei votada pelo Parlamento, sua razão-de-ser, a lei de controle de gestão exercida sobre o governante pelos cidadãos representados no Parlamento.

Ora, o orçamento público no Brasil não oferece há décadas nenhuma limitação prática ao governante no exercício de sua discricionariedade para remanejar dotações, extinguir programas e efetivar despesas. A ampla concessão que as Casas Legislativas municipais, estaduais e federal conferem ao Chefe do Executivo para alterar por decreto a composição do orçamento o torna uma mera figura de retórica. A deformação começa pela própria lei de Diretrizes Orçamentárias - possui o mesmo peso hierárquico do próprio Orçamento, o que transforma ambas as votações de aprovação legislativa num jogo de faz-de-conta. Uma altera a outra, portanto nem a Lei de Diretrizes delineia parâmetros para a aprovação, execução e controle orçamentário, nem o orçamento propriamente dito se subordina a quaisquer constrangimentos impostos pelo Poder Legislativo. Sob a quimera de aprovação de emendas pessoais de deputados, o Poder Legislativo rotineiramente abre mão de competências políticas inscritas na Constituição para em troca assegurar ao Executivo quase a totalidade do remanejamento orçamentário. Ou seja: aprova-se o nada, já que tudo, ou quase tudo, pode ser mudado. Assim, as emendas aprovadas em plenário não têm qualquer garantia de execução, já que podem até ser extintas por ato próprio do Chefe do Executivo, através de decretos. As emendas aprovadas tornam-se quando muito em moeda de troca no mercado eleitoral, mas não tem qualquer efetividade prática, se contrárias aos desejos do Executivo ou se o seu autor não for a Palácio negociá-las.

Na sistemática administrativa, deliberadas subestimações de receitas e superestimações de despesas tomam, pelo jogo do remanejamento, o orçamento ainda mais maleável aos interesses circunstanciais dos governantes.

Nos Regimes Parlamentares a não aprovação em tempo hábil da proposta orçamentária ocasiona a derrubada do gabinete e a substituição do governo. Nos EUA, origem do Presidencialismo, o Presidente da República não pode alterar um centavo nas dotações orçamentários sem expressa aprovação do Congresso - obrigatoriamente, o orçamento é a tradução financeira do que o governo irá fazer e a definição das fontes de custeio com as quais conta para financiar investimentos e sustentar despesas .

No Brasil passamos todo o ano de 1994, e o ano de 2003 também, sem sequer dispor de um orçamento aprovado, o que por si só comprova a sua desnecessidade prática. Em qualquer ano sob análise, independente do nível de governo - federal, estadual ou municipal - o orçamento público é de tal forma alterado, ao longo do exercício financeiro, por atos do Chefe do Poder Executivo, que o orçamento executado não é sequer uma caricatura do orçamento aprovado pelo Poder Legislativo.

Sob a perspectiva endógena à burocracia do Executivo, o orçamento é um instrumento de Poder, que transforma o Secretário ou Ministro responsável por sua confecção num virtual "Czar administrativo" ou "primeiro ministro" do governo.

Os dirigentes públicos cuidam mais ao longo do ano da emissão das reservas orçamentárias e das notas de empenho, da obtenção da autorização para os necessários remanejamentos de créditos e de despesas, e da aprovação de créditos suplementares ou de complementação de despesas do que propriamente da realização das suas atividades específicas a que estão incumbidos de realizar como membros do governo. Por exemplo: para se comprar uma tesoura, tido como "material permanente", tantos são os procedimentos e aprovações indispensáveis que o processamento certamente é muitas vezes mais caro do que o preço do item solicitado. E, não é improvável, que a compra não seja aprovada em última instância de decisão, sob a alegação fartamente justificada de "contenção de despesas". Portanto, a tentativa de evitar o mau gerenciamento dos dinheiros públicos impossibilita o bom gestor.

Se o dirigente público não gasta todos os seus recursos orçamentários até o fim do ano perde o dinheiro poupado e recebe dotações menores no ano seguinte. Daí a gastança desenfreada dos fins-de¬-exercício.

É sempre bom pedir a mais em todas as dotações, na certeza de que o órgão central de orçamento vai fazer cortes sob a luz exclusiva de seus próprios critérios. A negociação interna do orçamento termina por ser um jogo de forças, de pressão e de prestígio, que nem sempre tem a ver com o verdadeiro interesse público. Por isso, é sempre bom "fazer boa politica com aqueles caras do orçamento".

Os dirigentes públicos espertos gastam todos os centavos de seus orçamentos, precisando ou não zeram cada uma das dotações disponíveis. Esta é uma das causas de as organizações públicas estarem sempre sem dinheiro: nosso sistema orçamentário premia o desperdício e a esperteza, encoraja a mentalidade irresponsável e leviana no uso dos dinheiros públicos.

Enfim, a alteração conceptual e operativa do processo orçamentário no Brasil poderá contribuir decisivamente para a vitalização da administração pública.

É necessário um orçamento público capaz de:
a) Ser simplificado, objetivo e transparente. E preciso acabar com o calhamaço de números e papéis, desmistificar o instrumento, torná-lo acessível aos leigos, e liberar a burocracia da via-crucis em que se constituem as etapas de elaboração, execução, controle e avaliação orçamentárias.
b) Liberar os dirigentes públicos para a realização de suas missões institucionais.
c) Economizar milhões e milhões em controles e avaliações orçamentárias inócuas, desprovidas de real interesse para a consecução dos objetivos organizacionais.
d) Estimular a criatividade e a inovação gerencial dos dirigentes de linha no uso dos dinheiros públicos, otimizando as taxas de custo/beneficio.
e) Incentivar o dirigente público a poupar recursos e a racionalizar despesas e investimentos.
f) Garantir a voz e a vez do cidadão na formulação e controle de políticas públicas definidas a partir da alocação dos recursos públicos - Orçamento Participativo.
g) Voltar à origem do processo orçamentário, tornando-o um efetivo instrumento de controle de gestão da sociedade sobre o aparelho do Estado.
wagners@attglobal.net
www.wagnersiqueira.com.br


  Web site: www.wagnersiqueira.com  Autor: wagner siqueira


  Mais notícias da seção BRASIL no caderno NOSSO JORNAL
23/04/2013 - BRASIL - Os Dragões de Cada Geração
Trata da verdadeira incapacidade treinada das atuais geraçõesw conhecidas como Y e Z para conviverem com o descontrole dos preços, já que acostumadas à expansão ilimitada do crédito e do consumo...
14/04/2013 - BRASIL - Domío de outro idioma aumenta salário
Domínio de outro idioma aumenta salário em até 51,89% Estudo recém apresentado pela consultoria Catho mostra que o domínio de um idioma estrangeiro pode aumentar o salário em até 51,89%. A pesquisa analisou 2.444 cargos em 19 mil empresas de todo o Brasil, comparando diferentes níveis hierárquicos e graus de fluência na língua inglesa e espanhola. ...
25/01/2013 - BRASIL - A Pedagogia da Planilha
Imagine um aluno devidamente matriculado num Curso de Graduação em Administração numa região qualquer do Brasil. A matriz curricular, pelas normais legais, deve conter uma carga horária mínima de 3.000 horas. O pressuposto é, claro, que esse aluno hipotético, exposto à tamanha carga de conteúdos de aprendizagem, esteja plenamente apto ao exercício...
23/01/2013 - BRASIL - Educação: Uma questão de gerência
Dentre as inúmeras abordagens que visam a diagnosticar as deficiências do desempenho do Sistema Educacional Brasileiro, duas merecem destaque....
13/01/2013 - BRASIL - Saúde: uma questão de gerência
Dentre as inúmeras abordagens que visam a diagnosticar as deficiências do desempenho do sistema hospitalar, duas merecem destaque. Uma é a posição dos que atribuem à atuação dos profissionais de saúde as principais responsabilidades pelas falhas. Nesta posição, os diagnósticos sugerem desde a incompetência até a falência ética. A outra posição é a ...
20/12/2012 - BRASIL - Ser versus fazer
Para os existencialistas a dissonância SER X TER seria a marca definitiva do homem moderno em busca do auto-encontro e da felicidade....
24/11/2012 - BRASIL - Elementos Essenciais do Trabalho em Equipe " Parte II
Na Parte I, tivemos a oportunidade de analisar a relação poder/autoridade na dinâmica do trabalho em equipe. ...
08/09/2012 - BRASIL - 47 Anos do Administrador
Data de aniversário, tempo de retrospecto e de retemperar vontades, tempo de aprofundar a constribuição do Administrador ao desenvolvimento do Brasil...
02/06/2012 - BRASIL - O Dia do Profissional de RH
O dia 3 de junho é a data comemorativa do profissional de RH em todo o mundo. ...
15/04/2012 - BRASIL - UM CONGRESSO ENXUTO CAPACITADO E COM MUITA TRANSPARÊNCIA.
EU ACREDITO QUE DEVERÍAMOS FAZER UMA CAMPANHA POPULAR PARA QUE NO SENADO E NA CÂMARA FEDERAL SOMENTE TIVESSE 27 PARLAMENTARES E CADA UM REPRESENTANDO O SEU ESTADO, COM ESTA MEDIDA A CORRUPÇÃO SERIA MAIS CONTROLADA, OS CUSTOS SERIAM BEM MENORES E NOS A POPULAÇÃO TERÍAMOS QUE FAZER UMA SELEÇÃO BEM APURADA NA HORA DE VOTARMOS, PARA COLOCAR NO CONGRESS...
11/04/2012 - BRASIL - Democracia, instituições e costumes
A boa prática da democracia depende de duas condições: das instituições e dos costumes. Onde as instituições são adequadas e os costumes são saudáveis, está assegurada a democracia. Exemplo disto são os países da Escandinávia....
07/03/2012 - BRASIL - Exames de (IN) Suficiência
Há muitos anos em minhas andanças por universidades brasileiras por todo o Brasil tenho sido interpelado por alunos, professores e profissionais a respeito de minha opinião sobre os exames que são aplicados aos bacharéis de algumas carreiras de nível superior, como condição para, se aprovados, acessarem o mercado de trabalho como profissionais técn...
24/02/2012 - BRASIL - A hora e a vez da modernização administrativa
Ventos novos estão soprando pelo país. A evolução recente do processo político brasileiro, especialmente com os desdobramentos do quadro configurado pelo processo estável de crescimento econômico, potencializa a possibilidade até há pouco um sonho de promover profundas transformações democráticas na administração pública brasileira. Efetivamente...
02/02/2012 - BRASIL - Usos da hierarquia no trabalho em equipe
Os diferentes usos da hierarquia no trabalho em quipe: eu-sozinho, um-com-todos, um-com-alguns, uns-com-alguns, todos-com-todos. Enfim, não é fácil saber identificar claramente e utilizar funcionalmente os distintos usos da hierarquia numa ação cooperativa em grupo....
19/01/2012 - BRASIL - Os déspotas de uma burocracia insensível
"A indiferença ao bem comum é o vicio da política e da gestão pública praticada pelos déspotas da burocracia insensível existente no Brasil"....
19/06/2011 - BRASIL - O Professor de Administração
Falar dos professores de administração, formadores de consciências, de valores e de opções éticas na gestão das organizações, como se todos pertencessem a um grupo homogêneo é uma insensatez....
22/02/2011 - BRASIL - Ora, Direis Ouvir Estrelas ...
Antes e acima de qualquer medida operacional, é necessário que se compreenda que as novas equipes de governo terão fundamentalmente que se comprometer com a gerência moderna e eficaz....
17/02/2011 - BRASIL - UM BRASIL MELHOR!!
Em plena tecnologia no século XXI onde internet e celulares trazem noticias de diversos locais do mundo em poucos minutos, o Brasil vive sua política parecendo àquelas carroças velhas puxada por cavalos e burros nos anos de 1930, para se fazer qualquer coisa que necessite da presença do poder publico leva pelo menos uma eternidade dias para ser con...
28/08/2010 - BRASIL - Busque as causas do mau desempenho
Experiência não é o que acontece com a gente, mas o que fazemos com o que nos acontece.Aprender com a experiência é essencialmente buscar as cuasas dos maus desempenhos e fortalecer os pontos positivos....
17/08/2010 - BRASIL - Aprendizado Recíproco
A interação cotidiana gerente e seus colaboradores propicia uma fantástica possibilidade de aprendizagem recíproca.Transformar essa interação em resultados frutíferos é uma das mais significativas responsabilidades gerenciais...
11/08/2010 - BRASIL - A Sabedoria da Experiência
A experiência não é o que acontece conosco, mas o que fazemos com o que nos acontece.Eis ai algumas goticulas de sabedoria destiladas a partir da experiência....
02/08/2010 - BRASIL - MEMORIAL SAÚDE
UM PLANO DE SAÚDE AO ALCANCE DE TODOS TEM O MELHOR PREÇO DO MERCADO. PARA MELHORES INFORMAÇÕES LIGUE PARA NOSSA CONSULTORA.NEIDE(21)9828-9245 ou ( 2482-4211 após 20h00min )....
08/06/2010 - BRASIL - Prestar Contas Por Mau Desempenho
O gerente precisa estar sempre atento às causas ou às fontes do mau desempenho de seus colaboradores. O que fazer diante de tais circunstâncias é o grande desafio gerencial....
28/05/2010 - BRASIL - Por Uma Administração Moderna, Eficaz e Voltada Para o Público
Modernizar a máquina administrativa representa um desafio essencial para os dirigentes públicos e para o conjunto de toda a sociedade brasileira. Mas como o burocrata tem uma visão burocrática até mesmo da desburocratização, persistimos nos erros de outrora apresentando-os como soluções novas....
02/04/2010 - BRASIL - TRABALHO: Pode Fazer alguém Feliz?
Stress, insatisfação, depressões, inseguranças, desajustamentos, vícios e até suicídios: o trabalho é uma fonte de infelicidade ou existem pessoas felizes com o que fazem nas organizações a que pertencem?...



Capa |  ADMINISTRAÇÃO & ECONOMIA  |  BLOG  |  CÂMARA ESTADUAL  |  CÂMARA FEDERAL  |  CÂMARA MUNICIPAL  |  CIDADES & BAIRROS  |  EDUCAÇÃO E CULTURA  |  ESPORTE X LAZER  |  FESTAS E SHOWS  |  GASTRONOMIA X MODAS  |  GOVERNO ESTADUAL  |  GOVERNO FEDERAL  |  GOVERNO MUNICIPAL  |  JUSTIÇA X DIREITO  |  LINK  |  NOSSO JORNAL  |  POLÍTICA  |  SAÚDE X BELEZA  |  SENADO  |  TEATRO & TV & SHOW  |  TECNOLOGIA