| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

JORNAL RJ -NITERÓI E BAIXADA FLUMINENSE
Desde: 16/11/2009      Publicadas: 8706      Atualização: 01/10/2013

Capa |  ADMINISTRAÇÃO & ECONOMIA  |  BLOG  |  CÂMARA ESTADUAL  |  CÂMARA FEDERAL  |  CÂMARA MUNICIPAL  |  CIDADES & BAIRROS  |  EDUCAÇÃO E CULTURA  |  ESPORTE X LAZER  |  FESTAS E SHOWS  |  GASTRONOMIA X MODAS  |  GOVERNO ESTADUAL  |  GOVERNO FEDERAL  |  GOVERNO MUNICIPAL  |  JUSTIÇA X DIREITO  |  LINK  |  NOSSO JORNAL  |  POLÍTICA  |  SAÚDE X BELEZA  |  SENADO  |  TEATRO & TV & SHOW  |  TECNOLOGIA


 NOSSO JORNAL

  07/11/2011
  0 comentário(s)


A Obsolescência dos Executivos

Obsolescência é a incapacidade de o executivo manter face às mudanças da ambiência organizacional um comportamento adaptativo e inovador, criativo. É o fracasso de alguém que já foi capaz de obter resultados que normalmente seriam dele esperados.

A Obsolescência dos Executivos
A obsolescência não é um problema cronológico. Pode ocorrer a qualquer momento e com qualquer um. As pessoas não ficam velhas, ficam obsoletas. O que existe está obsoleto. Portanto, se funciona está obsoleto.
Tudo que funciona pode ser feito de melhor forma, com menores custos, com maior eficiência, eficácia e efetividade. Ou simplesmente pode deixar de ser feito por desnecessidade.

Os tipos mais comuns de obsolescência nos ambientes organizacionais são:
a) Por alteração dos métodos, dos sistemas ou dos processos de trabalho.
Origina-se principalmente da adoção das tecnologias de informação, da cibernética, da pesquisa operacional no mundo da organização e nos ambientes de trabalho.
b) Por mudança da estrutura organizacional.
Alterações estruturais-funcionais na organização, por integração vertical ou horizontal, reformulação administrativa que implique descentralização de serviços, terceirização, quarterização, supressão de órgãos, programas ou atividades, fusões e incorporações, downsizings, joint-ventures.
c) Por mudança do conteúdo ocupacional dos cargos ou dos postos de trabalho.
Ocorre quando o conteúdo funcional e das atribuições de determinado cargo muda, arrastando os seus ocupantes à ossificação de suas competências, conhecimentos e habilidades necessárias ao exercício de seu desempenho.
d) Atitudinal ou psicológica
É aquela advinda da incapacidade de o executivo manter sensibilidade aguçada face aos problemas emergentes de uma nova realidade organizacional.
Preso aos hábitos e costumes do passado, não consegue ser contemporâneo dos novos tempos, do presente vivenciado na emergência de um novo cotidiano.
A atualização dos executivos à inexorabilidade acachapante da obsolescência deve ser:
a) Sistemática e não acidental; permanente e não ocasional, contínua e não episódica.
b) Preventiva e não corretiva. Deve ser com o olhar no futuro e não em função do passado.
c) Institucionalizada e não pessoal. Não é uma responsabilidade exclusiva dos indivíduos isoladamente, mas uma atitude de todos, na construção do aprender a aprender, de uma cultura organizacional de aprendizagens por repercussões de um por um, um por todos, todos com um e todos com todos.

O combate à obsolescência dos executivos no mundo das organizações tem se dado por diferentes formas de ação, ao sabor das circunstâncias de cada caso e de cada momento.
A aplicação dessas formas de ação varia em diferentes contextos, dependendo de uma miríade de circunstâncias do caleidoscópio das realidades organizacionais, de seus processos históricos, da dinâmica de poder e do contingenciamento situacional caso a caso.
Vejamos apenas algumas formas de atuação mais típicas, que o mais das vezes se justapõem ou se interinfluenciam. São os caminhos clássicos que as organizações costumam tratar os casos cotidianos de obsolescência dos executivos:

a) Manutenção do executivo no mesmo cargo, preservando o mesmo status, com todos os símbolos de prestigio e de reconhecimento social, de salários e benefícios, mas efetivamente esvaziado de suas competências e responsabilidades, de autoridade e de poder de decisão. Mantém o cargo, mas é esterilizado em sua capacidade gerencial.
É o rei que reina, mas não mais governa. Passa a ser uma figura apenas decorativa, respeitada por seu passado de contribuições, mantido no seu antigo cargo com o mesmo título, mas afastado do cotidiano das decisões e implementação de ações.
Simbolicamente esta estratégia organizacional também comunica aos circunstantes que a organização reconhece aqueles que contribuíram na construção de sua história, e, assim, busca caminhos respeitosos para o seu reaproveitamento até a saída não traumática de seus quadros.
É menos danoso deixar um individuo obsoleto desfrutar de uma "sinecura" do que o deixar na liderança, ou seja, no comando, na coordenação e no controle dos processos organizacionais, como ele anteriormente os detinha. O custo passa a ser apenas a "sinecura", e não mais o custo das disfuncionalidades gerenciais e da perda das oportunidades inaproveitadas.

b) Movimentação lateral para uma posição de assessoria.
Há o aproveitamento mais sistemático e institucional de sua experiência e know how para a organização. Perde o comando, mas passa a colaborar no aconselhamento das decisões. Sai da linha de frente, mas passa a contribuir no estado maior da organização, ao nível em que se encontra, no aconselhamento, assessoramento, consultoria, apoio, staff, suporte na formulação do processo decisório e na implementação de políticas de ação. A organização usufrui organicamente de sua experiência e conhecimento para o couseling, mentoring, coaching e auditoria preventiva, mas o retira do cotidiano da linha de frente de decisão.

c) Elevação do status do executivo em termos honoríficos, mas é retirado da linha de ação.
Muitas vezes as organizações não dispõem de condições objetivas de se livrarem de alguém que tenha atingido o nível de incompetência, a que se referia o conhecido texto de sátira "Todo Mundo É Incompetente, Inclusive Você", de Laurence J. Peter e Raymond Hull, José Olimpio Editora, concretizado no charmoso Princípio de Peter: "todo individuo tende a subir na escala hierárquica até atingir o seu nível de incompetência". Corolário deste Princípio de Peter: "depois de algum tempo, todos os altos cargos corporativos tendem a ser ocupados por indivíduos incompetentes. Mas por que as organizações ainda prosperam? Por aqueles que ainda não atingiram os seus níveis de incompetência, mas que logo também chegarão lá".
Assim, é sempre menos dispendioso conceder uma sinecura, agora efetivamente sem aspas, a um individuo obsoleto, incompetente, do que lhe confiar a gestão do cotidiano. Na sinecura ele custa apenas o seu salário e demais benefícios extra-salariais. Encarregado de gerir uma oportunidade, ele inelutavelmente custa tudo o que ganha mais o que a organização deixa de lucrar por sua gestão inapropriada. É promovido por reconhecimento aos serviços prestados á organização, mas deixa inteiramente de influir no processo decisório. Passa a exercer uma função nitidamente de representação institucional, política, de relações públicas, de formação de imagem externa e interna.

d) Rebaixamento do executivo a um cargo de menor status e responsabilidade.
A taxa de morte física e psicológica, inclusive suicídios, produzida por promoções indevidas é apavorante no mundo do trabalho. Atinge indistintamente um universo crescente de organizações em todo o mundo.
Há muitas causas para esse fenômeno moderno, em que os pesquisadores não se cansam de tentar descrever e equacionar, infelizmente ainda sem resultados positivos de solução com relevância social e individual.
Mas certamente dentre essas causas está a insensibilidade para distinção entre competência técnica e competência administrativa, a que Henry Fayol já se referia em sua clássica obra "Administração Geral e Industrial", publicada nos primeiros anos do último século, conceito especialmente válido e relevante nos dias de hoje: "à medida em que se sobe na escala hierárquica, aumenta a necessidade de competência administrativa em substituição à necessidade de competência técnica, fundamental aos chefes de base". Ou seja: o técnico tem uma incapacidade treinada para administrar porque ele deriva satisfação psicológica do fazer diretamente, e não do fazer fazer, do obter resultados através dos outros, de derivar satisfação psicológica do que é realizado por terceiros, sem que esteja com "a mão na massa", diretamente envolvido na execução do trabalho, mas apenas na sua supervisão.
Há um equivoco em se julgar que uma pessoa de grande competência técnica possua também grande capacidade administrativa ou gerencial. Pelo menos essa não é a tendência dominante, mas apenas fortuita ou ocasional.
Utilizando-se dessa falsa premissa, as organizações comumente alçam especialistas de sucesso em funções técnicas a cargos de decisão, ganhando maus administradores e perdendo excelentes profissionais técnicos.
Essa é uma tendência que ocorre porque normalmente os cargos de direção são mais bem remunerados, possuem maior reconhecimento e auferem símbolos de prestigio e de status que não costumam ser estendidos às funções técnicas.
É evidente que há necessidade de ser conferir maior remuneração e status às funções técnicas e só ascender às funções administrativas aqueles que efetivamente possuírem aptidão e se submeterem ao desenvolvimento gerencial como profissionais e pessoas. Só assim se poderá superar essa ótica caolha que tantos malefícios provocam a indivíduos e a organizações todos os dias.
Muito se fala na carreira paralela, redefinindo o sucesso profissional ao estabelecer duas categorias idênticas de status e salários, uma para a linha gerencial e outra para os especialistas (técnicos). Muitos poucos a praticam efetivamente, se bem que de constante debate e recomendação em quase todas as políticas de gestão de pessoas no mundo corporativo.

e) Afastamento total, demissão, exoneração, licença ou aposentadoria.
É o fim da linha. A indubitabilidade da obsolescência determina a cessação das relações profissionais do executivo com a organização. É a solução mais fácil, certamente a mais praticada todas as vezes em que existem condições objetivas para tanto.
A questão gerencial típica que se coloca na implementação desta estratégia é como a proceder concomitantemente ao último e derradeiro esforço gerencial no sentido de usufruir-se de uma aprendizagem recíproca, da organização e do gerente a ser afastado.
O que determinou as circunstâncias de obsolescência do executivo a ponto de não mais ser recomendável permanecer na organização? Que práticas preventivas deveriam ter sido adotadas? O que fazer para que tal eventualidade não mais se repita ou pelo menos possam ser minimizadas? Como proceder ao desligamento do executivo de maneira respeitosa e contributiva para que possa exercer outras atividades profissionais ou obter uma aposentadoria digna?

Certamente, a obsolescência de executivos é uma das mais cruciais questões de nosso tempo no mundo das organizações. As organizações se mexem, buscam alternativas, mas basicamente não conseguem escapar do círculo de ferro do convencional e do lugar comum.
wagners@attglobal.net
www.wagnersiqueira.com.br
http://wagnersiqueira.blogspot.com
http://twitter.com/wagners












  Mais notícias da seção INTERNACIONAL no caderno NOSSO JORNAL
03/03/2013 - INTERNACIONAL - O Patrão de Si Mesmo
A luta de classes entre patrões e empregados se transferiu para o íntimo de cada trabalhador. Não mais se dá por meio da mediação, da negociação e do dissídio dos sindicatos. Esta é a razão intrínseca do desprestígio dos movimentos sindicais em todo o mundo....
09/02/2013 - INTERNACIONAL - A Pesquisa de Hawthorne
O que efetivamente demonstram as tragédias dos suicídios e os sofrimentos psicológicos que estigmatizam o funcionamento das grandes corporações empresariais em todo o mundo?...
04/11/2012 - INTERNACIONAL - É Possível Conciliar Ética e Lucro? (Parte IV)
"Ao ingressarem no mundo do trabalho as pessoas fraturam o seu comportamento ao conviverem simultaneamente com as imposições de duas éticas distintas e ambivalentes: a ética de convicções e a ética de resultados"...
14/10/2012 - INTERNACIONAL - É Possivel Conciliar Ética e Lucro? Parte III
A tentativa de generalização de aplicação dos pressupostos da ética empresarial coloca em cores vivas o equacionamento da resposta objetiva e concreta à necessidade de compatibilização dos conceitos de lucro e de ética no mundo corporativo....
13/10/2012 - INTERNACIONAL - É Possível Conciliar Ética e Lucro? (Parte II)
Grande "must" do mundo corporativo nos dias atuais, a indagação comporta questionamentos e dúvidas, mas afirma o limiar de um novo tempo. Será?...
13/10/2012 - INTERNACIONAL - É Possível Conciliar Ética e Lucro? (Parte I)
Grande "must" do mundo corporativo nos dias atuais, a indagação comporta questionamentos e dúvidas, mas afirma o limiar de um novo tempo. Será? Leia os textos seqüenciais sobre o tema, reflita, forme o seu juízo, e chegue às suas próprias conclusões....
22/06/2012 - INTERNACIONAL - O Pensamento Único nas Organizações
A privatização da sociedade civil, umbilicalmente vinculada à profissionalização das grandes ONGs internacionais, traz em seu bojo o florescimento de um novo risco à democracia nos tempos modernos, ou seja, o ovo da serpente do totalitarismo: o espírito crítico da sociedade se circunscreve à hegemonia de um pensamento único, percebido equivocadamen...
27/03/2012 - INTERNACIONAL - Elementos Essenciais do Trabalho em Equipe
Uma equipe de trabalho possui elementos peculiares de atitude e de ação. As análises de seu desempenho, dos comportamentos de seus membros individuais ou dos resultantes do trabalho coletivo são bastante expressivas para a compreensão de sua atuação e de como deveria funcionar para tornar-se mais eficaz. ...
10/03/2012 - INTERNACIONAL - O Fundamentalismo Religioso no Trabalho
Veja, com acesso para leitura inteiramente gratuito, o livro "As Seitas Organizacionais" no site do CRA-RJ, biblioteca/acervo digital, que trata da construção de ambientes totalitários no cotidiano das macro corporações complexas do mundo globalizado. Examine se você integra ou já participou delas....
13/02/2012 - INTERNACIONAL - Desenvolvimento Individual - o primeiro passo para a mudança
O primeiro passo para o processo de mudança das organizações se dá com o desenvolvimento individual....
08/01/2012 - INTERNACIONAL - Faço parte de uma equipe?
Quase sempre se toma esta questão como óbvia demais para ser respondida e, até mesmo, desnecessária a sua consideração. A pergunta é: sou parte de uma equipe? E, se sou, de que equipe? Quais são as outras partes? ...
27/12/2011 - INTERNACIONAL - Tal Presidente, tal Organização...
O dirigente precisa avaliar com cuidado as repercussões do seu estilo sobre o caráter ou a maneira de ser da sua própria empresa. Ela é sua extensão, pois afinal "o fruto nunca cai longe da árvore"....
06/12/2011 - INTERNACIONAL - Cultura Organizacional: você entende mesmo o que isso significa?
Quando os progressos das Ciências Sociais revelaram que o sentir e o pensar são, simultaneamente, fonte e limite do comportamento humano, abriram-se os caminhos a formulações bem mais profundas no campo da teoria das organizações....
07/11/2011 - INTERNACIONAL - Líderes: uma espécie em extinção?
Os escândalos de todos os dias, amplamente trombeteados pela imprensa em todo o mundo, têm gravitado em torno de duas questões centrais, vitais para o nosso cotidiano: a corrupção generalizada, " governamental e empresarial, nacional e internacional ", e a escassez de lideranças. ...
08/10/2011 - INTERNACIONAL - Universidades: a serviço do mercado
De forma geral, um novo campo de acumulação de capital se abre com a transformação das universidades em fábricas de produção do saber eficaz, ou seja, a serviço dos interesses comerciais do mercado....
26/09/2011 - INTERNACIONAL - O Ensino da Administração Centrado no Mercado
À semelhança de todo sistema de educacional contemporâneo, o ensino e a prática da administração e da gestão das organizações são baseados nos pressupostos de uma sociedade inteiramente centrada no mercado....
20/09/2011 - INTERNACIONAL - A Nova Ciência das Organizações
A reedição pela Editora da FGV, em futuro próximo, do livro "A Nova Ciência das Organizações: uma reconceituação da riqueza das nações", de Alberto Guerreiro Ramos, vai provocar novamente um terremoto nos dogmas e nas formas de pensar e de agir nas realidades organizacionais....
27/08/2011 - INTERNACIONAL - A Ordem Institucional-Legal
O que vai limitar a Ordem Econômica ou Tecnocientífica, ou seja, o desenvolvimento das ciências e das tecnologias, o progresso científico-tecnológico, os avanços da economia de mercado?...
31/07/2011 - INTERNACIONAL - A Ordem Tecnocientifica ou Econômica
As teorias das organizações se forjam nas possibilidades e nas realidades objetivas da Ordem Tecnocientifica ou Econômica. Legitimá-las ou rejeitá-las são circunstâncias que podem conduzir ao sucesso corporativo no universo da sociedade...
17/07/2011 - INTERNACIONAL - A Motivação para a Realização
Quase todas as pessoas tendem a se autoperceberem como motivadas para a realização. ...
28/06/2011 - INTERNACIONAL - Você participa efetivamente de uma equipe de trabalho?
Será que você forma uma equipe de trabalho profissional em sua organização, ou apenas tal condição nada tem a ver com a sua realidade específica?...
05/06/2011 - INTERNACIONAL - A Sociedade do Conhecimento Integrada no Âmbito Empresarial
A Educação na Sociedade de Mercado.A escola se submete, cada vez mais, a enormes pressões para que se conforme aos novos paradigmas da globalização e da lógica da sociedade de mercado....
24/05/2011 - INTERNACIONAL - A Missão e a tarefa de nosso tempo
A organização é o reduto autoritario da sociedade brasileira. E e´ em seu cotidiano que se procede á discriminação contra as mulheres. Fazer avançar a equidade de generos é a missão e a tarefa de nosso tempo...
16/04/2011 - INTERNACIONAL - O Mito da Responsabilidade Social das Empresas
É uma doce ilusão julgar que mudanças voluntaristas produzidas por empresários progressistas sejam capazes por si só de transformar o sistema econômico, garantindo-lhe algum sentido de espírito publico e de bem comum....
30/03/2011 - INTERNACIONAL - RESPEITO AO CLIENTE
Encantar o cliente, eis o lugar comum de quisquer organizações. Ou seria fidelizá-lo, isto é, submetê-lo aos interesses dasorganizações`.Certamente, colonizá-lo expresse melhor o que hoje se faz, isto é, colocálo a serviço da empresa e ainda fazê-lo a pagar mais ainda por isso...
10/03/2011 - INTERNACIONAL - A Tirania da Urgência
A lógica das organizações modernas se sustenta na fomentação do stress, na manutenção permanente das atividades, "sempre se está muito pressa", na definição diuturna do emergencial, uma após a outra, num ciclo de urgências que não se encerra....
05/03/2011 - INTERNACIONAL - A Destruição Criadora
Joseph Schumpeter desenvolveu o conceito de que as inovações tendiam a destruir os produtos e serviços, metodos e processos de trabalhos fundados anteriormente. Nada mais contundente nestes tempos presentes do que o conceito de destruição criadora...
14/02/2011 - INTERNACIONAL - Ócio criativo
A profunda alteração do modelo econômico globalizado, de um capitalismo de produção, bem descrito por Marx, para um capitalismo de crédito e de consumo,ainda pouco percebido, muito menos compreendido, joga por terra para a quase totalidade das pessoas empregadas nas organizações e, muito mais, para os desempregados temporários e os definitivos, os...
22/01/2011 - INTERNACIONAL - A Teoria X e a Teoria Y
O texto apresenta concepções e práticas adotadas na gestão de pessoal no mundo das organizações e as analisa à luz dps conhecimentos das ciênciasdo comportamento humano no trabalho ...
08/01/2011 - INTERNACIONAL - Você Tem Vocação Para Empreendedor
Uma das mais cruciais decisões de um executivo bem sucedido é se deve iniciar uma carreira empresarial após tantos anos de contribuição às organizações em que trabalhou como empregado....



Capa |  ADMINISTRAÇÃO & ECONOMIA  |  BLOG  |  CÂMARA ESTADUAL  |  CÂMARA FEDERAL  |  CÂMARA MUNICIPAL  |  CIDADES & BAIRROS  |  EDUCAÇÃO E CULTURA  |  ESPORTE X LAZER  |  FESTAS E SHOWS  |  GASTRONOMIA X MODAS  |  GOVERNO ESTADUAL  |  GOVERNO FEDERAL  |  GOVERNO MUNICIPAL  |  JUSTIÇA X DIREITO  |  LINK  |  NOSSO JORNAL  |  POLÍTICA  |  SAÚDE X BELEZA  |  SENADO  |  TEATRO & TV & SHOW  |  TECNOLOGIA